Rodrigue Tremblay: autor de próximo livro intitulase "The Code for Global Ethics"

www.TheCodeForGlobalEthics.com

 

6.

November 10, 2016

Terremoto político: A revolućčo de Trump nos Estados Unidos

By Prof Rodrigue Tremblay,

http://www.thenewamericanempire.com/tremblay=1180.htm

 

Terremoto político: A revolućčo de Trump nos Estados Unidos

Os trabalhos de Hércules que esperam o novo Presidente

 

 

“Quando vocź dá [dinheiro aos políticos], eles fazem tudo o que vocź quiser que eles faćam. Como homem de negócios convém-me que seja assim.” Donald J. Trump (1946-), em entrevista ao Wall Street Journal, 29 de julho de 2015.

 

“Nós [os Estados Unidos] gastámos 2 biliões de dólares; milhares de vidas. … Obviamente, foi um erro…George W. Bush cometeu um erro. Podemos cometer erros. Mas aquilo era uma evidźncia. Nós nunca deveríamos ter estado no Iraque. Nós desestabilizámos o Médio Oriente… – Eles [o presidente George W. Bush e o vice-presidente Dick Cheney] mentiram… Disseram que havia armas de destruićčo macića. Nčo havia nada. E eles sabiam que nčo havia nada. Nčo havia armas de destruićčo em macića.Donald J. Trump (1946-), durante um debate para a nomeaćčo do candidato ąs eleićões presidenciais pelo Partido Republicano (GOP), na CBS News, sábado, 13 de fevereiro de 2016.

 

“Na minha opiničo, gastámos 4 biliões de dólares tentando derrubar várias pessoas que, francamente, se se tivessem mantido, e se tivéssemos gastado os 4 biliões nos Estados Unidos para consertar as nossas estradas, as nossas pontes e todos os outros problemas; os nossos aeroportos e todos os outros problemas que tivemos, teríamos feito muito melhor. Eu posso dizer isso agora.

- Nós causámos um tremendo dano, nčo só ao Médio Oriente; causámos um enorme dano ą humanidade.

As pessoas que foram mortas, as pessoas que foram eliminadas, e para quź? Nčo parece que tenhamos tido qualquer vitória.

É uma bagunća. O Médio Oriente está totalmente desestabilizado. – Uma bagunća total e completa.

-       Gostaria que tivéssemos os 4 biliões ou os 5 biliões de dólares. Gostaria que tivessem sido gastos aqui nos Estados Unidos, nas nossas escolas, hospitais, estradas,aeroportos e tudo o mais que se está a desfazer”. Donald J. Trump (1946-) num debate presidencial do Partido Republicano, terća-feira. 15 de dezembro de 2015, Las Vegas, NV.

-        

“Ao longo da história, qualquer profunda mudanća política e social foi precedida por uma revolućčo filosófica, pelo menos entre uma parte significativa da populaćčo.” M. N. Roy (1887-1954), em “O Futuro da Democracia”, 1950.

 

 

Ocorreu um terramoto político geracional nos Estados Unidos e os choques que se irčo seguir sčo potencialmente enormes. Na verdade, em 8 de novembro de 2016, contra todas as probabilidades, o candidato republicano Donald Trump (1946-) foi eleito como o 45ľ presidente americano, repetindo ad nauseam o seu slogan principal “Make America Great Again”. Será o primeiro presidente americano desde Dwight D. Eisenhower (1890-1969) a ocupar a Casa Branca sem ter qualquer experiźncia política.

 

A retórica e as propostas de Trump foram inequivocamente anti-establishment e anti status quo, tanto a nível nacional como internacional. Como tal, a vitória de Trump é uma revolućčo política na sua génese porque anuncia uma rutura com as políticas americanas seguidas por ambas as administraćões republicanas e democratas dos E.U.A. desde os anos 90.

 

Por isso, a eleićčo de Trump inspira tanto medo quanto esperanća. Medo entre as elites estabelecidas, especialmente entre os meios de comunicaćčo e interesses financeiros estabelecidos e dominantes em Washington, já que a vitória de Trump será, sem dúvida, vista como um repúdio dos valores e das políticas desses interesses. E porque, depois do Brexit, em junho passado, pode ser também uma antecipaćčo de derrocada das elites europeias, que também impulsionaram ativamente um mundo globalizado, com fronteiras abertas, imigraćčo ilegal, mudanćas tecnológicas e desindustrializaćčo das economias mais avanćadas.

 

 

 

 

 

 

 

Dados da noite de eleićčo, 8 de novembro, 22h

 

No entanto, há esperanća entre aqueles que foram deixados para trás económica, politica e socialmente, especialmente entre os membros da classe média americana cujos rendimentos reais estčo estagnados ou em declínio e que sofreram muito com a agenda e as políticas perseguidas durante as últimas trźs décadas. Nos últimos 30 anos, de fato, os 10% mais ricos e os 1% super-ricos da populaćčo dos Estados Unidos beneficiaram altamente com a mudanća de uma economia de manufatura para uma economia de servićos, enquanto os 90% mais pobres foram deixados para trás.

 

Muitos dos trabalhadores americanos mais desprotegidos, especialmente aqueles com formaćčo abaixo do ensino secundário, viram no candidato republicano Donald Trump e no candidato democrata derrotado Bernie Sanders a esperanća de ver as coisas mudarem para melhor. É sintomático que os americanos nas grandes áreas urbanas tenham votado massivamente na candidata democrata, enquanto as áreas industriais e rurais o tenham feito massivamente no candidato republicano. Contrariamente ąs sondagens, os modelos de previsčo que incluíam o contexto histórico e o desejo de mudanća na sua previsčo tinham razčo. É o caso do modelo do professor universitário americano Allan J. Lichtman.

 

Os trabalhos de Hércules que esperam o novo Presidente

O presidente eleito Donald Trump e sua equipa tźm pela frente uma tarefa hercúlea, se quiserem cumprir as promessas que fizeram.

 

1- Comecemos com as principais mudanćas que se esperam na política externa.

Os maiores perdedores das eleićões de 8 de novembro serčo os falcões da política externa e os neoconservadores dos governos anteriores dos Estados Unidos, desde o governo Bill Clinton até aos últimos governos de Obama. Foram eles que levaram avante o reacender da Guerra Fria com a Rússia e que desenharam as políticas intervencionistas, que estčo a destruir o Médio Oriente.

 

Espera-se que uma administraćčo Trump reverta a política da NATO liderada pelos EUA para provocar a Rússia, multiplicando movimentos militares hostis nas suas fronteiras. Além disso, pode-se esperar que uma administraćčo Trump chegue a um acordo com o governo russo de Vladimir Putin para pôr fim ao desastroso conflito sírio. Esta é uma má notícia para a organizaćčo medieval e assassina do ISIS.

Naturalmente, espera-se que um governo Trump possa transformar as diretrizes da política comercial dos EUA. A política comercial deverá ser provavelmente acompanhada por uma política industrial. Na prática, isso pode implicar que o curso dos dois grandes tratados multilaterais de comércio livre e de investimento livre, o Acordo de Livre Comércio TransatlČntico (TAFTA) e o Acordo de Parceria Transpacífico (TPP) será interrompido.

 

Nesse sentido, a revolućčo Trump pode significar que a globalizaćčo económica e financeira está morta.

 

2- As principais alteraćões que se podem esperar de uma administraćčo Trump na política interna.

Uma administraćčo Trump tentará estimular a economia dos EUA através de uma série de políticas económicas. Afinal, o candidato Trump prometeu impulsionar a taxa de crescimento dos EUA para um valor médio anual de 3,5% e criar 25 milhões de postos de trabalho na próxima década. E também prometeu “rever as nossas políticas fiscais, regulatórias, energéticas e comerciais”.

 

Como pode uma administraćčo Trump estimular o crescimento? Primeiro, propondo um enorme corte de impostos de 4,4 biliões de dólares para estimular o crescimento, nčo muito diferente do programa de corte de impostos de 1,3 biliões de dólares da administraćčo Bush-Cheney em 2001-2003, que teve resultados duvidosos, além de ter aumentado o deficit fiscal do governo dos EUA.

 

Em segundo lugar, um governo Trump tentará impulsionar a criaćčo de empregos na indústria dos EUA. Para isso, terá que fazer melhor do que o recorde alcanćado durante os dois mandatos de Bush-Cheney, quando os Estados Unidos perderam mais de seis milhões de empregos na indústria. Para reverter essa tendźncia, Trump pode tentar forćar o repatriamento dos lucros de 2,1 biliões de dólares que as empresas americanas possuem no exterior e induzir essas empresas a investir mais nos Estados Unidos. Pode também aumentar alguns impostos sobre as importaćões para persuadir as empresas americanas a criar empregos nos EUA. Até que ponto um Congresso controlado pelos republicanos aceitará essa política comercial protecionista ainda está para se ver.

 

Finalmente, o candidato Trump prometeu lanćar um enorme programa de investimento em infraestruturas, afirmando que queria “construir a próxima geraćčo de estradas, pontes, ferrovias, túneis, portos e aeroportos”.

 

3- Os desafios do governo Trump nas políticas sociais

De longe, o maior desafio que um governo Trump enfrentará será lidar com a promessa do candidato Trump de abolir o programa nacional de saúde conhecido como Obamacare. Ele propôs a substituićčo da lei americana de saúde com uma transferźncia do Medicaid para os estados, acompanhada por um programa estadual de subsídios, e isenćčo de impostos para as empresas que facultem planos de seguro de saúde aos trabalhadores, sendo alargada a indivíduos que comprem os seus próprios planos de saúde. O candidato Trump chegou mesmo a namorar a ideia de os EUA adotarem um sistema de saúde de contribuićčo única. A ver vamos como uma questčo tčo complexa irá ser resolvida.

 

Conclusčo

Vai levar semanas e meses até que a agenda real do governo Trump fique clara. Sob uma presidźncia de Donald Trump, os Estados Unidos podem esperar mudar de direćčo em muitas políticas. ň medida que esta revolućčo se desenrolar, os olhos do mundo estarčo focados no governo Trump e nas novas políticas que ele tentará implementar. Esperemos que tal seja feito com cuidado e pensamento inteligente, e nčo de modo precipitado e caótico.

Rodrigue Tremblay 

___________________________________________________

Artigo em inglźs :

http://www.globalresearch.ca/political-earthquake-the-trump-revolution-in-the-united-states/5556013

Political Earthquake: The Trump Revolution in The United States, 9 de Novembre de 2016

Tradućčo : Júlio Manuel Dias Gomes (Economics teacher at Faculty of Economics at University of Coimbra, Portugal, now retired.)

 

 

 

 

5.

Estamos em plena estagnaćčo económica da geraćčo “Baby-Boom” de 2007-2017

 

De acordo com as declaraćões governamentais, repetidas irresponsavelmente pelos media do sistema, se hoje o mundo está mergulhado numa crise profunda, amanhč já vźem sinais de recuperaćčo para no dia seguinte regressarem ą crise mais profunda do que esperavam.

 

Rodrigue Tremblay, apesar de nčo pôr em causa o sistema capitalista, diz-nos por que razões nčo se deve ter esperanćas de uma recuperaćčo a médio prazo.

 

Rodrigue Tremblay* - 23.07.09

 

 

«Os bancos sčo mais perigosos do que exércitos permanentes»

Thomas Jefferson (1743-1826), III Presidente dos EUA

 

«…uma grande recessčo parece improvável; [estamos ą espera] que o sector financeiro recupere na próxima primavera e melhore no Outono»

Sociedade Económica de Harvard, 10 de Novembro, 1929

 

«Apesar do crash ter ocorrido há apenas seis meses, estou convencido que já passámos o pior – e com uma contínua uničo de esforćos deveremos recuperar rapidamente. Nčo houve nenhuma falha significativa na banca ou na indústria. Também esse problema está seguramente ultrapassado.»

Presidente Herbert Hoover, 1 de Maio de 1930

 

«Num sistema monetário assente no papel-moeda, um determinado governo pode sempre originar consumo mais elevado e, a partir daqui, inflaćčo positiva»

Ben Bernanke, Presidente da Reserva Federal, 2002

 

 

Muitos observadores sčo da opiničo de que a «prosperidade está ali ao virar da esquina» e que esta recessčo, como outras desde a II Guerra Mundial, terminará logo que o mercado das acćões, como indicador fundamental, recupere e as pessoas comecem novamente a consumir. Esta é uma perspectiva míope do panorama económico actual.

 

Na verdade, desde o auge da bolha imobiliária (nos EUA) em 2005, a crise do subprime em Agosto de 2007 e o princípio da recessčo em Dezembro de 2007, a economia dos EUA, e até um certo ponto, mundial, entrou num período de prolongados reajustes. Claro que haverá períodos de crescimento económico no futuro e poderá dizer-se, nos meses mais próximos, que a recessčo oficialmente terminou, mas a radical reorganizaćčo económica que está a ter lugar continuará durante anos.

 

Por que razčo isto é assim?

 

Essencialmente porque estamos no culminar de um ciclo de Kondratieff de 60 anos de inflaćčo-desinflaćčo-deflaćčo que comećou em 1949, quando os prećos congelados pela guerra foram liberalizados; e esse poderoso ciclo longo está agora a terminar. A era que se seguiu aos anos 1980, ou seja, a era Reagan, acabou, mas os excessos e bolhas das últimas décadas tźm que ser corrigidos, num momento em que grandes mudanćas tźm lugar na populaćčo. Tais ajustes levarčo anos a desenvolver-se e isto implicará grandes esforćos e grandes mudanćas.

 

Efectivamente, a era do excesso de consumo e do excesso de dívida terminou. A era da excessiva desestruturaćčo económica governamental e da desregulaćčo financeira terminou. A era dos esquemas financeiros irresponsáveis ą maneira de Charles Ponzi terminou. A era dos derivados nčo regulados terminou. A era da ganČncia enquanto ideologia terminou. A era do capitalismo selvagem e predatório terminou. A era do petróleo barato, do transporte barato, dos bens baratos e da comida barata terminou. A era da concentraćčo excessiva de riqueza e rendimento também terminou. Todavia, a era da corrupćčo política, dos políticos incompetentes e das guerras de agressčo destruidoras nčo terminou. O que comećou foi a era da hiper-estagflaćčo.

 

A principal forća motriz por trás da maioria destes desenvolvimentos, para além do colapso do sector financeiro, da pirČmide de dívidas, da estrutura de produtos derivados e do discurso imponderado de maiores guerras por parte de políticos irresponsáveis (como se nčo houvesse problemas suficientes), será de natureza demográfica. Com efeito, entrámos num período durante o qual o maior grupo demográfico da história da humanidade, a geraćčo «baby-boom» do pós-Segunda Guerra Mundial, ultrapassou o seu nível máximo de consumo. Isto nčo é algo que possa ser invertido da noite para o dia. Será um processo de reajuste que durará uma década, de menor gasto, de maior poupanća e, acima de tudo, do pagamento dos excessos de dívidas. Recordemos que o consumo privado representa 70% do PIB.

 

As consequźncias económicas serčo profundas e afectarčo todos os sectores da economia. Temos apenas que considerar o modo como a indústria automóvel, em tempos um dos principais motores do crescimento económico, atravessa neste momento uma reorganizaćčo fundamental e redućčo. Mesmo as indústrias informatizadas em larga escala progrediram e já nčo podem ser consideradas indústrias em rápido crescimento. Os únicos sectores de potencial crescimento que restam nos EUA parecem ser a indústria dos servićos de saúde, dado o envelhecimento da populaćčo, e as indústrias relacionadas com a guerra, uma vez que o complexo industrial-militar norte-americano continua em expansčo. Mas mesmo estes sectores terčo que abrandar, nčo včo eles levar toda a economia ą bancarrota.

 

É por isso que penso que estas tendźncias industriais e demográficas anunciam um período de crescimento económico mais lento que poderá durar muitos anos. É melhor que os governos despertem para os desafios colocados por um crescimento económico tčo lento. Muito poucas pessoas estčo preparadas para um período tčo longo de estagnaćčo económica, que será acompanhado por liquidaćčo de dívidas forćada, em ambiente de austeridade. Isto aplica-se particularmente aos planos de reforma privados, que terčo dificuldade em pagar pensões nos próximos anos. Também se aplica ao emprego, que irá crescer a um ritmo mais lento que a populaćčo activa, pelo menos durante algum tempo, resultando numa subida da taxa de desemprego.

Os «baby-boomers» sčo os indivíduos que nasceram entre 1946 e 1966. Por constituírem um vasto número (mais de 70 milhões de pessoas nos EUA), esta geraćčo tem dominado em todas as esferas da vida nos últimos cinquenta anos. Mas agora ultrapassaram já o seu nível máximo de consumo. Este ocorreu em 2005-2006, em pleno auge da bolha imobiliária. A média etária daquele grupo demográfico era entčo 50 anos, que é a idade de maior consumo. Nessa altura, a taxa de poupanća privada nos EUA desceu uns alarmantes 2,5% por ano. Como comparaćčo, era 12,5% durante a recessčo de 1981-82, recuperou agora uns fenomenais 5,7% em Abril de 2009 e está a subir rapidamente.

 

Com efeito, o fim da bolha imobiliária, a crise financeira e a recessčo económica em conjunto deram um sinal claro aos «baby-boomers». É melhor que comecem a poupar rapidamente, ou a vossa reforma terá que ser adiada. E poupar significa consumir menos e gastar menos dinheiro, enquanto se saldam dívidas de modo a fazer subir os activos correntes a um nível que possa suportar as necessidades da reforma. Mas se o maior grupo de consumidores diminuir os seus gastos e empréstimos, o que é que isto significa para o consumo agregado e para o crescimento económico? Apenas poderá significar menor crescimento económico global e alguns penosos ajustes económicos. Por conseguinte, há uma probabilidade elevada de que esta recessčo seja uma recessčo enorme cujos efeitos poderčo durar anos, interrompidos por curtos períodos de recuperaćčo rapidamente seguidos por um regresso das causas da estagnaćčo. No Japčo, em meados dos anos 1990, uma recessčo igualmente causada por aspectos financeiros e demográficos durou uma década inteira. E mesmo depois de 20 anos, nčo se pode dizer que o Japčo tenha resolvido o problema.

 

A curto prazo, de modo a contrariar os efeitos da crise financeira e combater a corrente recessčo que comećou oficialmente em Dezembro de 2007 (de acordo com o National Bureau of Economic Research - NBER), a administraćčo Obama concebeu um plano de estímulo de 750 mil milhões de dólares e deixou o deficit fiscal explodir para mais de 2 triliões de dólares por ano devido ao bailout dos bancos em dificuldades. Do mesmo modo, a Reserva Federal baixou as taxas de juro a curto prazo para zero e adquiriu milhares de milhões de dólares em títulos do tesouro a longo prazo, em títulos de agźncias governamentais, e mesmo em títulos garantidos por créditos hipotecários, numa tentativa desesperada de salvar grandes instituićões financeiras como a AIG, a Fannie & Freddie e outras instituićões financeiras norte-americanas da implosčo. Mas agora os investidores, especialmente os investidores internacionais, estčo a vender obrigaćões do Tesouro e a fazer subir as taxas de juro a longo prazo e a fazer descer o dólar norte-americano ą medida que o medo da inflaćčo aumenta, embora, paradoxalmente, o colapso da pirČmide de dívidas crie um ambiente deflacionário para toda a economia.

 

O perigo neste caso é que os investidores irčo vender as obrigaćões do Tesouro mais rapidamente do que a Reserva Federal pode comprá-los, em cujo caso os prećos das obrigaćões descerčo em espiral, ą medida que a inflaćčo e o medo da falźncia sčo exacerbados. Numa palavra, se a Reserva Federal nčo tornar mais flexível a sua política corrente de monetarizaćčo excessiva da dívida pública e privada e a sua clara política de «negligźncia benigna» relativamente ao dólar, a inflaćčo elevada e até mesmo a hiper-inflaćčo tornar-se-čo possíveis neste processo. Isto já aconteceu no passado e nčo há razčo para que nčo volte a repetir-se, especialmente se os EUA continuarem a envolver-se em guerras onerosas no estrangeiro, pagando estas aventuras com dinheiro que nčo tźm.

 

Por agora, um rápido ressurgimento da inflaćčo é apenas uma remota possibilidade. Mas esta é, nčo obstante, uma possibilidade, considerando que os bancos centrais tendem a cunhar moeda fiduciária em excesso. De facto, se os governos tentarem resolver o problema demográfico estrutural no horizonte através da cunhagem de moeda, acabarčo por gerar hiper-estagflaćčo. Em poucas palavras, é isto que o gigantesco mercado internacional de obrigaćões dominado pelo dólar vź e receia, num momento em que tem que absorver uma enorme quantidade de novas emissões de obrigaćões. Na verdade, o mercado de obrigaćões ganhará sempre, face a qualquer banco central, em qualquer altura. Os problemas da solvźncia e a provável incapacidade do Estado da Califórnia para pagar a sua dívida fabulosa apenas aumentarčo a ansiedade.

 

Há umas semanas atrás, alertei para o risco de futuros aumentos súbitos das taxas de juro a longo prazo e desvalorizaćčo do dólar norte-americano após as decisões por parte do Tesouro norte-americano e da Reserva Federal de inundar os mercados com triliões de dólares de novas emissões de obrigaćões do Tesouro e com dinheiro acabado de imprimir. Essa tendźncia está a chegar mais rápido do que pensei. Só quando os mercados podem esperar uma relativa estagnaćčo económica e um ambiente deflacionário duradouro é que as taxas de juro de longo prazo estabilizam.

 

Estejam bem preparados. Vem aí uma década económica muito difícil.

_______________________________________________________________________

* Rodrigue Tremblay é Professor emérito de economia na Universidade de Montreal Tradućčo: André Rodrigues P. Silva

 

 

 

4.

http://resistir.info/crise/tremblay_17set08.html

 

 

O sistema financeiro dos EUA está em sérias perturbaćões

por Rodrigue Tremblay [*]

 

"… uma salvaćčo de possuidores de títulos de empresas patrocinadas pelo governo (Fannie e Freddie) seria talvez o maior roubo dos contribuintes da história americana. É má teoria económica e pode estar certo de que é uma política terrível".

Matt Kibbe, Presidente do Freedom Works

 

"A primeira panaceia para um país mal administrado é a inflaćčo da sua divisa, a segunda é a guerra. Ambas trazem uma prosperidade temporária, ambas trazem uma ruína permanente. Mas ambas sčo o refúgio de oportunistas políticos e económicos".

Ernest Hemingway (1899-1961), (Setembro/1932)

 

[Após a salvaćčo do Bear Stearns] "Quando mais firmas perdem acesso ao financiamento, o círculo vicioso da venda forćosa, da volatilidade acrescida, ... e as margin calls [1] que já estavam bem avanćadas naquele momento provavelmente seriam intensificadas. A economia mais ampla dificilmente poderia ter permanecido imune a tais severas rupturas financeiras".

Ben Bernanke, Presidente do Fed (Marćo/2008)

 

Em Agosto de 2007, no princípio mesmo da crise financeira das subprime nos EUA, e referindo-me ą prática semelhante ą alquimia de criar instrumentos financeiros artificiais, tais como as mortgage-backed securities (MBSs), eis o que escrevi :

“Tal como todos os 'esquemas de Ponzi' , tais pirČmides de dívidas sem activos líquidos por trás estčo destinadas a implodir mais cedo ou mais tarde". Também escrevi acerca da intervenćčo do Fed nesses casos, que "alivia a 'crise de liquidez', certamente, mas nada faz para curar a 'crise de solvźncia' de instituićões que possuem grandes porćões de activos apoiados por hipotecas nčo cumpridas. Mais cedo ou mais tarde, tais derivativos de baixo valor terčo de ser cancelados, e isto necessariamente levará a uma erosčo do capital base destas instituićões. Bancarrotas das instituićões mais alavancas e imprudentes sčo aguardadas.”

De facto, bancarrotas de tais instituićões financeiras super-alavancadas tornaram-se inevitáveis. Durante algum tempo, fusões forćadas entre bancos, iniciadas pelo Fed ou pelo Tesouro, podem suavizar a explosčo. Mas depois desse período, as bancarrotas claras e sem rodeios nčo poderčo ser evitadas e os balanćos terčo de ser equilibrados. 

O que é que provoca esta desordem financeira? 

No mźs passado dei uma resposta curta :

“No centro dos actuais problemas financeiros está o fracasso em adoptar regulamentaćčo financeira padrčo para novas instituićões financeiras, tais como bancos correctores de investimento , hedge funds baseados off-shore e grandes mercados de derivativos que permanecem, na maior parte, fora da autoridade tradicional dos reguladores. Contudo, quando as coisas dčo para o torto, como aconteceu com o Bear Stearns em Marćo último, sua morte ameaća desestabilizar todo o sistema financeiro e apela-se rapidamente a convenientes salvaćões governamentais.”

Hoje afirmo que esta grande crise tem de ser colocada nos próprios pés do establishment de Washington . Trata-se de um establishment político-financeiro que empurrou até aos limites a sua ideologia de desregulamentaćčo de mercados financeiros e esticou o funcionamento do capitalismo corporativo de mercado até ao ponto de ruptura. Agora o sistema está a implodir sob os nossos olhos e as instituićões financeiras caem como dominós. Como escrevi em Agosto último, e repeti em Abril deste ano , o problema financeiro dos EUA nčo é de liquidez (há muitíssima liquidez fornecida pelo Fed quando bancos e correctores podem tomar emprestado ą vontade dólares recém impressos no guichet de desconto do Fed) mas sim de solvźncia, de balanćos fracos, activos arriscados e liquidaćčo de divida. Trata-se de um cavalo de uma outra cor.

Ao longo dos últimos 25 anos, principiando com a administraćčo Reagan e culminando com a actual administraćčo Bush-Cheney, o establishment de Washington desmantelou peća por peća o sistema de protecćčo que fora construído a partir da depressčo económica da década de 1930 e removeu praticamente todos os regulamentos federais que podiam constituir obstáculo ą cobića e burla da parte de operadores de mercado inescrupulosos.

E eis que chega o momento da verdade. Fora das bancarrotas está a nacionalizaćčo pelo governo dos bancos super-alavancados. E a administraćčo Bush-Cheney deu um grande passo nessa direcćčo quando veio resgatar as duas maiores instituićões de finanćas hipotecárias, a Fannie Mae (Federal National Mortgage Association: FNM) e o Freddie Mac (Federal Home Loan Mortgage Corporation, FRE) que iam fechar por estarem insolventes. Este passo foi iniciado depois de bancos centrais (na China, Japčo, Europa, Médio Oriente e Rússia) ameaćarem parar de comprar títulos e debentures emitidos pelas duas tremelicantes instituićões financeiras.

Mas a administraćčo Bush-Cheney, ainda que proporcionando dinheiro público para manter os dois prestamistas em operaćčo, parou um pouco antes das suas nacionalizaćões. Na verdade, o governo dos EUA comprometeu-se a investir até US$200 mil milhões em acćões preferenciais e crédito estendido até 2009, a fim de manter os dois prestamistas hipotecários solventes e em operaćčo.

Mas ao invés de tomá-los colocando-os em concordata (receivership) administrativa, a fim de mudar o seu modelo de negócio, como ambos deveriam ter feito uma vez que o governo agora está a garantir suas dívidas pendentes (mais de US$5 milhões de milhões), o governo estado-unidense preferiu ao invés disso manter a aparźncia de que estes bancos ainda estavam sob administraćčo privada e apenas nomeara um conservador legal para a Fannie Mae e o Freddie Mac. Mesmo quando eles salvam duas das chamadas empresas patrocinadas pelo governo (Government sponsored enterprises, GSEs), a sua ideologia de mercado impede-os de fazer a coisa correcta.

Após anos de irresponsável desregulamentaćčo pública e de malversčo privada e irresponsável, agravando o risco assumido, o sistema financeiro americano está agora em séria perturbaćčo, e ele pode puxar a economia dos EUA ainda mais para baixo nos próximos meses e anos.

Nas próximas semanas, contudo, quando outras instituićões financeiras cambaleiam ą beira da bancarrota, o governo dos EUA terá de considerar a criaćčo de um Bank Resolution Trust de acordo com o modelo da Resolution Trust Corp. de 1989 a qual tomou as poupanćas e empréstimos de bancos que estavam entčo em dificuldades financeiras. Exemplo: ainda recentemente, em 16 de Fevereiro deste ano, o governo britČnico nčo hesitou em nacionalizar o Northern Rock e salvou este grande banco britČnico com cerca de £55 mil milhões (US$107 mil milhões) em empréstimos públicos e garantias. Mais cedo ou mais tarde, o governo americano terá de fazer o mesmo, a fim de estabilizar o sistema financeiro, porque os problemas financeiros nos EUA sčo sistémicos e muito mais sérios do que em outros lugares.

Da mesma maneira, talvez o governo estado-unidense deva corrigir uma anomalia do século XX, que é o status semi-privado do seu banco central. Na verdade, o Federal Reserve americano é uma organizaćčo de banco central semi-pública e semi-privada que é em igual medida responsável tanto para com grandes bancos privado como para com o governo dos EUA e a populaćčo. Isto cria um conflito nčo saudável de interesses que nčo é justo para o público americano. Na verdade, a prática americana de privatizar lucros e socializar perdas seria considerada inaceitável na maior parte das outras democracias.

O que estamos a testemunhar nestes dias nos EUA é uma transferźncia macića de riqueza dos contribuintes, poupadores e aposentados para os bancos, seus credores e seus administradores. Por um lado, o Fed enterrou profundamente as taxas de juro reais no território negativo a fim de ajudar bancos perturbados e, por outro, os contribuintes americanos tem financiado a salvaćčo de instituićões financeiras muito grandes.

Pergunto-me o que os dois campos presidenciais, o de Obama e o de McCain, tźm a dizer acerca disso! Ambos querem aumentar o défice federal e aumentar significativamente a já elevada dívida nacional.

17/Setembro/2008

__________________________________________________

[1] Margin calls: Pedido de fundos adicionais devido a movimentos de prećos adversos.

 

[*] Professor emérito de Ciźncias Económicas na Universidade de Montreal, autor The Code for Global Ethics .   Email: rodrigue.tremblay@yahoo.com

 

O original encontra-se em http://www.thenewamericanempire.com/blog

 

Este artigo encontra-se em http://resistir.info/ .

 

 

3.

http://resistir.info/crise/tremblay_22fev08.html

 

22/Fevereiro/2008

O sistema financeiro dos EUA, a bolha da dívida e o cancro da desregulamentaćčo excessiva

por Rodrigue Tremblay [*]

 

"É justića poética que as pessoas que fermentaram esta mixórdia tóxica porfim acabaram por beber um bocado dela".

Warren Buffett, investidor americano

 

"Através de um contínuo processo de inflaćčo o governo pode confiscar, secreta e anonimamente, uma parte importante da riqueza dos seus cidadčos".

John Maynard Keynes (1883-1946)

 

"O novo dinheiro que entra na economia nčo afecta todos os actores económicos por igual nem influencia todos os actores e económicos ao mesmo tempo. O dinheiro recém criado deve entrar na economia num ponto específico. Geralmente esta injecćčo monetária chega através da expansčo do crédito pelo sector bancário. Aqueles que recebem este novo dinheiro em primeiro lugar beneficiam-se a expensas daqueles que o recebem só depois de ele ter serpenteado através da economia e de os prećos terem tido oportunidade de ajustar-se".

Friedrich A. Hayek (1899-1992), economista austríaco

 

Quando o presidente do Fed, Ben Bernanke , diz que a situaćčo económica está a pior, é melhor que acredite nele. De facto, os mercados de crédito nos EUA estčo a entrar em colapso debaixo dos nossos olhos, e nčo se vź quando isto acabará, muito menos de quando reverterá.

1- Os principais indicadores económicos da economia dos EUA estčo em queda;

2- O sentimento de confianća do consumidor está em queda quando as retiradas sobre hipotecas estčo a secar;

3- Os números do emprego estčo em queda;

4- O relatório de Janeiro de 2008 sobre a economia de servićos dos EUA indica que a mesma contraiu-se no princípio do ano pela primeira vez em 58 meses;

5- O número de novos desempregados ainda é perigosamente elevado;

6- A crise habitacional está a ganhar vapor; os banco tźm de colocar nos seus balanćos perdas cada vez mais elevadas devido ąs subprimes, minando portanto as suas bases de capital e conduzindo muitos deles ą beira da insolvźncia;

7- As agźncias de classificaćčo de crédito estčo sob sítio;

8- Os títulos de companhias de garantia de seguros estčo em vias de perderem as suas classificaćões triplo A e algumas estčo ą beira da bancarrota;

9- O mercado de títulos municipais , com US$2,6 milhões de milhões (trillion) está prestes a mergulhar, se e quando os seguradores de títulos nčo os arrastarem;

10- O mercado corporativo dos empréstimos alavancados (leveraged) está desbaratado;

11- O mercado de mais de um milhčo de milhões de dólares de hipotecas e títulos apoiados em dívidas pode entrar em colapso completo se os maiores segurados de hipotecas estado-unidenses continuarem a sofrer perdas lancinantes;

12- Grandes hedge funds estčo a perder dinheiro numa escala elevada e estčo a sofrer uma corrida sobre os seus activos;

13- Nos EUA, a dívida total em percentagem do PIB é superior a 300 por cento, um nível récorde (N.B.: em 1980 era 125 por cento!);

14- E, finalmente, o mercado ą escala mundial de centenas de milhões de milhões (trillion) de dólares em derivativos poderia implodir a qualquer momento, se demasiadas instituićões financeiras forem abaixo durante os próximos meses, pois a maior parte destas transacćões sčo negócios inter-instituićčo.

 

Há uns poucos positivos desgarrados, tal como o facto de que o produto manufactureiro parecer estar a levantar-se muito bem, pois o dólar desvalorizado estimula as exportaćões, mas o quadro económico global permanece negro. Isto é uma homenagem ą capacidade de resistźncia da economia dos EUA.

 

Toda esta confusčo comećou no princípio dos anos 2000, e mesmo muito antes no principio dos anos 1980 quando Fed e a SEC adoptaram uma abordagem de nčo tocar nos mercados financeiros, guiados pela nova religičo económica de que "os mercados nčo podem errar". O que estamos a testemunhar é o fracasso de aproximadamente trinta anos das chamadas políticas económicas conservadoras a cavaleiro da dívida e da desregulamentaćčo.

 

Deve-se entender que o recente problema da subprimes comećou realmente em 2000, quando a agźncia de classificaćčo de crédito Standard & Poors emitiu um pronunciamento a dizer que o financiamento hipotecário de casas "montado nas costas" ("piggyback"), quando uma segunda hipoteca é tomada para pagar a entrada de uma primeira hipoteca, provavelmente nčo conduziria a mais incumprimentos do que mais hipotecas padrčo. Isto encorajou instituićões de empréstimos hipotecários a relaxarem as suas práticas de empréstimos, indo tčo longe como emprestar sobre hipotecas com nenhum pagamento inicial de qualquer espécie, e até mesmo adiar pagamentos de capital e juros por algum tempo. E com o Fed e a SEC a olharem para o outro lado, foi dado um passo fatal. Os bancos e as suas subsidiárias decidiram seguir novas regras tóxicas e arriscadas de operaćčo bancária.

 

Na verdade, apesar de os bancos tradicionalmente tomarem emprestado a curto prazo e concederem empréstimos a longo, eles deram um novo passo gigantesco: comećaram a transformar empréstimos a longo prazo, tais como hipotecas, empréstimos para carros, estudantes, etc em empréstimos a curto prazo. Realmente, eles caíram no negócio do alquimista de entrouxar juntos empréstimos a prazos relativamente longos dentro de pacotes que cortaram ąs fatias dentro de instrumentos de crédito mais pequenos que tinham todas as características de papel comercial a curto prazo, mas estavam a carregar rendimentos mais elevados. Eles entčo venderam estes novos structured investment vehicles (SIVs), por uma comissčo, a toda espécie de investidores que estavam ą procura de rendimentos mais altos do que as magras taxas que estavam a pagar as alternativas. E, uma vez que os bancos estavam por trás destes novos activos financeiros, as agźncia de créditos deram-lhes uma classificaćčo AAA, o que permitiu aos fundos de pensčo regulados e ąs companhias de seguros investirem neles, acreditando que eram tanto seguros como líquidos. Ficaram prontos para um choque. Quando a bolha imobiliária explodiu, o valor dos activos reais por trás dos novos instrumentos financeiros comećou a declinar, puxando o tapete para fora dos asset-backed paper market (ABCP) que estavam por baixo, os quais tornaram-se ilíquidos e tóxicos. Como praticamente nčo há qualquer comercializaćčo com os novos instrumentos, ninguém sabia o verdadeiro valor do papel, e portanto ninguém e estava desejoso de comprá-lo. Esta crise de confianća agora permeou outros mercados de crédito e está a ameaćar todo o sistema financeiro ą medida que o contágio se propaga.

 

Ainda em 2003-04, o entčo presidente do Fed, Alan Greenspan, nčo era o menos preocupado com a bolha da hipoteca imobiliária financiada pela subprime mas estava ao contrário a encorajar pessoas a sacarem hipotecas com taxa ajustável, apesar de as taxas de juro estarem numa baixa de trinta anos e estarem prestes a aumentar. Mesmo no fim de 2006, o recém nomeado presidente do Fed, Ben Bernanke, manifestou nčo estar preocupado com a bolha imobiliária, dizendo que prećos elevados eram apenas um reflexo de uma economia forte. Note bem, isto aconteceu mais de um ano depois de o mercado imobiliário ter atingido o pico, no Verčo de 2005. A história registará que o Fed e a SEC nada fizeram para prevenir a pirČmide da dívida de atingir os níveis perigosos a que chegou e que está agora a esmagar a economia.

 

Num espaćo de tempo mais longo, quando se olha o gráfico fornecido pelo Bureau of Economic Analysis (BEA) dos EUA que mostra a importČncia das dívidas pendentes (corporativas, financeiras, governamentais e mais as pessoais) em relaćčo ą economia, fica-se impressionado pelo facto de que este rácio permaneceu em torno dos 1,2 do PIB durante décadas. Entčo, alguma coisa grande aconteceu no princípio da década de 1980, e o rácio comećou a ascender, apenas com uma ligeira pausa nos meados da década de 1990, até atingir o actual nível com falta de ar de 3,1 vezes do PIB, aproximadamente 200 por cento mais do que costumava ser.

 

A adopćčo de cortes fiscais macićos a par com políticas de gastos deficitários do governo, e políticas de desregulamentaćčo, por parte de Reagan e subsequentes administraćões republicanas, culminando tudo num modo grotesco sob a actual administraćčo, contribuiu macićamente para esta bolha da dívida sem precedentes. Levou muitos anos para construir a pirČmide da dívida, e levará muitos anos para desfazź-la e reduzir esta montanha acumulada de dívida a uma dimensčo mais administrável.

 

Este é o grande quadro por trás desta crise. Ela é muito maior do que a crise das caixas económicas (S&L) na década de 1980, a qual parece diminuta em comparaćčo com a actual. Eis porque penso que esta crise prolongar-se-á pelo menos mais uns poucos anos, possivelmente até 2010-11.

_______________

22/Fevereiro/2008

 

[*] Professor emérito de Teoria Económica na Universidade de Montreal. Autor de The New American Empire  e de The Code for Global Ethics (ainda nčo lanćado). Responsável pelo sítio web www.thenewamericanempire.com/ e pelo blog www.thenewamericanempire.com/blog . Contacto: rodrigue.tremblay@yahoo.com

 

Este artigo encontra-se em http://resistir.info/ .

 

 

2.

 

http://www.resistir.info/crise/fed_panic_21set07_p.html

 

21 setembro 2007

Um pČnico do Federal Reserve e uma operaćčo macića de salvamento de bancos americanos paga pelo mundo inteiro

por Rodrigue Tremblay [*]

 

 

"As loucuras, os pČnicos e as quedas das bolsas sčo consequźncia de uma economia que cultiva a cupidez, a conspiraćčo e a ganČncia em vez de uma fé devota na Regra de Ouro".

Peter L. Bernstein, Foreword to Manias, Panics, and Crashes (4th ed.) by C. P. Kindleberger

 

"Numa crise, reduzam os prećos e reduzam-nos fortemente".

Walter Bagehot (1826-1877), economista britČnico

 

"O papel da Reserva Federal é esconder a taća do ponche logo que a festa comeća a ficar animada".

William McChesney Martin (1906-1998), Presidente do Fed (1951-1970)

 

"O estado da disfuncional política americana nčo me dá grande confianća no futuro próximo".

Alan Greenspan, Presidente do Fed (1987-2006)

 

A má gestčo do dinheiro e do crédito sempre levou a explosões financeiras ao longo dos séculos. As causas, curas e consequźncias dessas catástrofes financeiras sčo quase sempre repetitivas. Com efeito, esses colapsos financeiros sčo normalmente resultado da avidez e da ganČncia desenfreada dos operadores financeiros e da falta da indispensável supervisčo pelas instituićões oficiais que deviam proteger os bens públicos e comuns. Por exemplo, depois da crise financeira de Outubro/Novembro de 1907 nos Estados Unidos, acabou por ser aceite em 1913 a ideia avanćada inicialmente pelo banqueiro Paul Warburg para instituićčo de um sistema bancário da Reserva Federal (Fed) em parte privado e em parte público. O Fed tornou-se assim o prestamista de último recurso para os bancos que chegam a uma posićčo de perda de liquidez. Mas foi só depois da queda da bolsa de 1929 é que foi fundada a Security and Exchange Commission (SEC).

 

Mas mesmos com instituićões e regulamentaćões estabelecidas, se elas forem inoperantes, corruptas ou desadaptadas, podem continuar a ocorrer crises financeiras. E a actual crise financeira aí está para nos recordar esse facto.

 

Em 18 de Setembro (2007), o Fed demonstrou algum pČnico e anunciou o corte de meio ponto percentual, mais do que era esperado, na taxa de fundos federais e na taxa de desconto, isto depois de ter reduzido a taxa de desconto de meio ponto, em 17 de Agosto, a fim de facilitar que os maiores bancos da América contraíssem empréstimos e a fim de facilitar uma operaćčo de salvamento das suas afiliadas e de outros operadores, tais como os hedge-funds [1] , apanhados pela crise dos empréstimos secundários. Com esta atitude, o Fed de Bernanke [2] está a seguir o conselho de Bagehot para uma agressiva redućčo de prećos em situaćčo de crise financeira. Só que o problema é que a regra de Bahegot exige que o banco central faća abundantes empréstimos em tempos de escassez crítica de créditos… mas com uma taxa de juros alta. Ao emprestar a prestamistas em dificuldade a taxas preferenciais reduzidas, o Fed está a agir como "governo" deles, isto é, a subsidiar as suas arriscadas operaćões de empréstimos e a carregar de impostos apenas os que possuem dólares americanos. Nčo está a tentar apenas torná-los mais "líquidos", mas também mais "resolúveis" e com menos probabilidades de falir.

 

Isto coloca trźs questões interessantes. Primeira, quem paga a operaćčo de salvamento das instituićões financeiras americanas; segunda, quais sčo as consequźncias a longo prazo da macića operaćčo de salvamento empreendida pelo Fed; e terceira, porque é que o Fed deixou que a situaćčo financeira se deteriorasse a um ponto tal que há um sector inteiro da economia que se está a desmoronar e o seu colapso ameaća toda a economia.

 

Em primeiro lugar, temos que considerar que o dólar americano ainda continua a ser uma divisa de reserva chave, embora esteja a perder terreno para o euro, e a maior parte dos bancos centrais ainda continua a mantź-lo em quantidades enormes nas suas reservas de divisas estrangeiras, tal como acontece com bancos privados, entidades comerciais e económicas e pessoas por todo o mundo. Por exemplo, no início de 2007, os bancos centrais estrangeiros, só por si, detinham cerca de 2 250 milhares de milhões de reservas em dólares americanos, o que representava cerca de 66 por cento das suas reservas oficiais totais de divisas estrangeiras, ao lado de um pouco mais de 25 por cento de reservas em euros.

 

Como o dólar está a perder o seu poder de compra, tanto em termos absolutos como relativos, os bancos centrais e outros investidores estrangeiros tźm vindo a ser "colectados" pela política de pouca preocupaćčo com o dólar do Fed americano. Em termos reais, pode medir-se o imposto de seigneurage [3] sobre os possuidores estrangeiros de dólares calculando a diferenća entre a taxa anual da depreciaćčo do dólar vis-ą-vis as principais divisas convertíveis e a taxa de juro a curto prazo sobre essas reservas. Por exemplo, se a taxa anual de depreciaćčo do dólar é de cinco por cento e a taxa a curto prazo do retorno dos títulos de tesouro americano é de quatro por cento, os bancos centrais estčo a perder cerca de 22,5 mil milhões de dólares por ano. Como os estrangeiros privados detźm uma dívida de mais de 2 milhões de milhões de dólares, a perda líquida anual dos possuidores estrangeiros de dólares americanos pode atingir facilmente os 50 mil milhões de dólares por ano. A conclusčo é fácil de tirar: Nčo só os estrangeiros tźm vindo a financiar fortemente os enormes défices do governo dos EUA nos últimos seis anos, como estčo agora a impor-lhes que ajudem a financiar a generosa operaćčo de salvamento das instituićões financeiras americanas.

 

Os investidores, tanto no estrangeiro como nos EUA, sabem que, para muita gente, os números oficiais da inflaćčo estčo subestimados, essencialmente porque com isso pretende-se reduzir o peso dado nos indicadores aos bens e servićos cujos prećos aumentam mais rapidamente, mas também porque os custos da habitaćčo e os prećos das propriedades só sčo tidos em consideraćčo parcialmente. Isto pode explicar porque é que as expectativas de inflaćčo apontam para uma subida, apesar de os números oficiais da mesma nčo apresentarem uma subida. Há dinheiro fácil a mais conforme se viu nos últimos anos aquando da primeira inflaćčo dos produtos petrolíferos, mas mais tarde ou mais cedo surge a subida dos prećos de todas as mercadorias e dos prećos de todos os bens e servićos. Com a actual queda do dólar, é de esperar que os americanos venham a pagar mais por uma série de artigos, tais como o combustível e a alimentaćčo. Isso traduzir-se-á num padrčo de vida mais baixo.

 

O prećo do ouro, o prećo do petróleo e os prećos de outras mercadorias estčo a subir e podem servir de campainhas de alarme da inflaćčo. O comportamento das taxas de juro a longo prazo que incorporam expectativas de inflaćčo é também um bom indicador da futura inflaćčo. Com o Fed a imprimir dinheiro e a aumentar a disponibilidade de dinheiro a alta escala, como se estivesse a ser lanćado do céu por um helicóptero (daí a alcunha de "Helicóptero" para Ben Bernanke, presidente do Fed), as taxas de juro a curto prazo irčo cair durante algum tempo, mas as taxas de juro a longo prazo terčo tendźncia a subir lentamente, a nčo ser que se desencadeie uma profunda recessčo.

 

Em segundo lugar, uma macića operaćčo de salvamento tal como o Fed de Bernanke desencadeou coloca a questčo do risco moral presente em qualquer operaćčo desse tipo feita pelo banco central, depois de nčo ter conseguido regular devidamente as actividades de risco dos bancos que supervisiona. Na verdade, ao aceitar acćões e obrigaćões sustentadas por hipotecas como garantia para gigantescos empréstimos a prazo mais ou menos longo, empréstimos esses contraídos pelos bancos e corretores americanos, o Fed está mas é a recompensar as próprias instituićões que agiram de forma extremamente irresponsável durante os últimos quatro a cinco anos, enquanto limpa a sua própria imagem por ter fracassado na sua missčo reguladora. A mensagem é muito clara: As instituićões financeiras americanas podem entregar-se ą criaćčo de instrumentos "inovadores" de crédito artificial de alto risco, atirando os riscos para cima de mutuários e investidores inocentes e arrecadando comissões e prémios chorudos, e quando as coisas dčo para o torto, como é de esperar, aparece o Fed em seu socorro e salva-os com empréstimos baratos e prolongados. É uma boa forma de encorajar descuidadamente qualquer instituićčo financeira gananciosa e fora de controlo a fomentar sucessivas crises financeiras desordenadamente e de forma perturbadora.

 

Na verdade, o Fed de Bernanke está agora a livrar da dor das consequźncias as instituićões financeiras que agiram irresponsavelmente, algumas delas que agiram mesmo criminosamente, conforme disse Alan Greenspan, antigo presidente do Fed. É um caso evidente de risco moral.

 

Se nčo forem implementados novos regulamentos ou se nčo forem postos em marcha novos regulamentos, uma operaćčo macića como esta assegura que as instituićões financeiras americanas včo continuar no futuro a tentar ganhar dólares rápidos criando capital artificial de risco, sem pesar devidamente os riscos envolvidos para os pequenos investidores e pequenas poupanćas, enquanto que o Fed assumirá a responsabilidade de desviar as perdas em parte para si próprio mas principalmente para os possuidores de dólares americanos. Com efeito, o Fed está a manter em suspenso a disciplina de mercado a favor dos grandes jogadores financeiros que coloca sob sua protecćčo, enquanto deixa que a disciplina de mercado esmague os pequenos proprietários de habitaćões e os pequenos investidores que compraram casas, agora com hipotecas instáveis, ou que investiram as suas poupanćas em títulos de dívida com garantias fraudulentas e de alto risco (CDO's). É este o resultado líquido da aplicaćčo parcial da regra de Bagehot.

 

A terceira questčo é: porque é que o Fed de Greenspan e de Bernanke nčo escondeu mais cedo a taća de ponche do dinheiro fácil e do crédito fácil, quando as coisas comećaram a ficar feias no mercado de hipotecas secundárias durante o período de 2003-2007. Porque é que parecia paralisado e nada fez? O antigo presidente do Fed, Alan Greenspan, tem uma explicaćčo simples e conveniente. Antes de 2003, receou um início da deflaćčo e foi por isso que o Fed elevou a sua taxa principal de empréstimo de 1 por cento (de Junho de 2003 a Junho de 2004) apenas pela segunda vez na história. Também afirma que havia demasiadas "poupanćas globais" pelo mundo afora e que foi isso que fez descer as taxas de juro. Isto é uma explicaćčo deslavada, porque, se a globalizaćčo e as poupanćas globais mantiveram a inflaćčo baixa e as taxas de juro a prazo baixas, a subida das taxas de juro a curto prazo e o aumento do fornecimento de moeda estiveram sempre sob o controlo do Fed. O Fed nčo tinha obrigaćčo, depois de 2003, de manter as taxas de juro a curto prazo tčo negativas durante tanto tempo. Claro que, como a administraćčo Bush andava a cortar as taxas dos impostos para reforćar as perspectivas de reeleićčo em 2004, e andava a gastar dinheiro ą maluca em guerras travadas em terras distantes, o Fed devia ter percorrido a via contrária para contrabalanćar o ímpeto fiscal que isso criava para a macro economia. Por outras palavras, devia ter escondido a taća do ponche. Mas nčo o fez.

 

Em consequźncia, a dívida hipotecária como percentagem da renda disponível nos EUA encontra-se ao nível mais alto dos últimos setenta e cinco anos, atingindo 100 por cento, enquanto que a dívida de consumo subiu para o nível mais alto da história. Tudo isto torna a economia mais vulnerável do que nunca desde a depressčo de 1929-39. Outra consequźncia desta farra de dinheiro fácil é o frenesi de leveraged buy-outs [4] e a concentraćčo industrial que temos vindo a observar nos últimos anos.

 

Por fim, ponhamos a cereja em cima do bolo. Com efeito, há um trecho muito inquietante no recente livro de memórias (The Age of Turbulence) do antigo presidente do Fed, Alan Greenspan, e nas explicaćões que ele deu em entrevistas concedidas para divulgaćčo do livro: é a sua confissčo de que, enquanto desempenhou o cargo de presidente do Fed, incitou activamente o vice-presidente Dick Cheney para um ataque dos EUA ao Iraque. Se isto aconteceu, foi muito incorrecto que um banqueiro central agisse desta forma, principalmente quando tinha mais que fazer do que pressionar a favor de uma guerra ilegal. Quer isto dizer que Greenspan foi um membro activo do grupo de pressčo pró Israel no interior do governo dos EUA e se juntou ą quadrilha de Wolfowitz-Feith-Abrams-Perle-Kissinger? Parece-me que uma atitude destas devia ser objecto de investigaćčo.

 

Na verdade, até que ponto é que o grupo de pressčo pró Israel foi responsável pela guerra do Iraque e pelos défices que ela gerou? Já existem neste momento sondagens que indicam que 40 por cento dos eleitores americanos acreditam que o grupo de pressčo pró Israel foi um factor chave na entrada da guerra com o Iraque e que o mesmo está de novo muito activo na promoćčo de uma nova guerra contra o Irčo. Este número tende a aumentar ą medida que cada vez há mais pessoas a perceber os factos que estčo por detrás desta guerra tčo desastrosa e mal concebida. Com efeito, quantas guerras é que este grupo pode engendrar antes de ser detido? E até que ponto o turbilhčo financeiro nos EUA e nos mercados mundiais pode vir a ser relacionado com a influźncia deste grupo tčo corrosivo?

21/Setembro/2007

__________________________________

 

Notas

(1) hedge-funds – fundos que investem no comércio a prazo de mercadorias visando diminuir os riscos e reduzir os prejuízos (N.T.)

(2) Bernanke – Ben Shalom Bernanke é um economista, presidente do Conselho de Governadores da Reserva Federal dos Estados Unidos (N.T.)

(3) seigneurage – receita líquida decorrente da emissčo de divisas. É uma importante fonte de receita para os bancos nacionais (N.T.)

(4) leveraged buy-out – aquisićčo da totalidade ou da maioria das acćões de uma empresa com recurso a capitais de empréstimo (N.T.)

_____________________________________________

[*] Economista canadiano, colaborador frequente de Global Research, autor de The New American Empire  . O seu próximo livro intitula-se "The Code for Global Ethics".

O seu blog: www.thenewamericanempire.com/blog

 

O original encontra-se em http://www.globalresearch.ca/index.php?context=va&aid=6832 .

Tradućčo de Margarida Ferreira.

 

Este artigo encontra-se em http://resistir.info/ .

25/Set/07

Postado por gilberto tedeia ąs Quarta-feira, Setembro 26, 2007    

 

 

 

 

1.

http://altermundo.org/portal/content/view/285/65/lang,gl_ES/

 

 

O complexo industrial militar dos EUA

Rodrigue Tremblay

29-09-2006       

 

[Online Journal. Traducido do inglés para Rebelión por Sinfo Fernández. Ao galego por altermundo.org]

 

Os cinco alicerces do complexo industrial militar dos Estados Unidos.

 

“Pódense atopar sistemas militares desmesurados en calquera modalidade de goberno que manteĖa actitudes de rexeitamento ante a liberdade, e que son considerados particularmente hostís ante a liberdade republicana

George Washington (1732-1799). Primeiro presidente estadounidense.

 

“[A] conxunción dun sistema militar inmenso e dunha gran industria armamentística é algo novo na experiencia estadounidense… Nos consellos de goberno, debemos gardarnos ben de que o complexo industrial militar chegue a ter unha influencia inxustificábel, sexa ou non alentada. Hai potencial, e seguirá habéndoo, para que se produza ese desastroso aumento de poder de xeito evidente inapropiado.”

 Dwight D. Eisenhower (1890-1969), 34ľ presidente, discurso de despedida, 17 de xaneiro de 1961.

 

Que o noso país vaia agora cara a un modelo de economía baseada nas armas é parte do modelo xeral dunha política desacertada, alimentado con axuda dunha psicosis, inducida artificialmente, de histeria de guerra e nutrida a partir dunha propaganda incesante ao redor do medo.”

Xeral Douglas MacArthur, discurso do 15 de maio de 1951.

 

Na década dos anos vinte do pasado século, o Presidente Calvin Coolidge dixo: “O negocio de EUA consiste en facer negocios”. Na actualidade, pode dicirse que a industria de armas e a guerra permanente convertéronse nunha gran parte do negocio estadounidense, conformándose como unha especie de filial dun complexo industrial militar ben arraigado. Anteriores homes estadounidenses con visión de alcance fixeron advertencias contra esta deriva, homes como o Presidente George Washington e o Presidente Dwight Eisenhower, ao ser intrinsicamente contraposta á democracia e á liberdade. Con todo, á actual administración Bush-Cheney non lle asustan esas tendencias; os seus principais membros son parte delas e, precisamente, están moi ocupados promocionándoas.

 

As guerras, especialmente as guerras electrónicas modernas, provocan uns masacres terríbeis, pero son tamén sinónimo de grandes contratos que supoĖen custes altísimos, grandes beneficios e grandes posibilidades de emprego para todos aqueles que conforman o necesario engranaxe militar. As guerras son o paraíso dos preeiros.

 

As guerras son tamén unha vía para que políticos mediocres monopolicen as novas e os medios de comunicación no seu favor de xeiro partisano avivando o fervor patriótico e presionando por un nacionalismo de vía estreita. Efectivamente, inflamar o patriotismo e o nacionalismo é un vello truco demagógico que se utilizou sempre para dominar as nacións. Cando iso sucede, hai un claro risco de que a democracia e a liberdade se erosionen, e ata que desaparezan se eses desenvolvementos conducen a unha concentración exacerbada de poder e de corrupción política.

 

Os ataques terroristas do 11-S de 2001 supuxeron unha bonanza para o complexo industrial militar estadounidense. Foi un acontecemento, un “Novo Pearl Harbor”, polo que algúns estiveran esperando. A razón? Eses ataques deron o pretexto perfecto para desenvolver gastos militares, que se anhelaban logo da desaparición do antigo Imperio Soviético. E, ademais, proporcionaron o fundamento para aumentalos de xeito espectacular, substituíndo unha “Guerra contra o Terrorismo” por unha “Guerra contra os Islamistas” como substituta da “Guerra contra o Comunismo” e a “Guerra Fría contra a Unión Soviética”. Nesta nova perspectiva, as portas do gasto militar podían abrirse e este fluír de novo. O desenvolvemento do cada vez máis sofisticado armamento podería continuar e miles de corporacións e centos de distritos políticos poderían seguir levándose os beneficios. Os custes serían asumidos polos contrinuíntes, polos homes e mulleres novas que morrerían en combate e polas remotas poboacións que xacerían baixo a choiva de bombas que caerían sobre eles e os seus fogares.

 

Efectivamente, en setembro de 2000, cando o Pentágono emitiu o seu famoso documento estratéxico titulado “Reconstruíndo as Defensas dos EUA”, expresábase a crenza en que o tipo de transformación militar que os planificadores estaban a considerar requeriría dalgún “suceso catastrófico e catalizador”, como un novo Pearl Harbor, para que fora posíbel venderlle o plan ao pobo estadounidense. Foron ou intuitivos ou afortunados porque, un ano máis tarde, xa tiĖan o “Novo Pearl Harbor” polo que devecían.

 

O complexo industrial militar necesita guerras, moitas e sucesivas guerras, para prosperar. O equipamiento militar vello ten que ser reparado e reemplazado cada determinado tempo se hai unha guerra en marcha. Pero para xustificar o enorme custe que supón ter que desenvolver armas cada vez máis mortíferas, necesítase que haxa un clima constante de temor e vulnerabilidade. Por exemplo, hai moitos informes, elaborados por observadores internacionais e persoal médico, no senso de que os ataques israelís contra o Líbano e Gaza durante o verán de 2006 facilitaron o uso de “novas armas feitas nos EUA”. Informouse que esas armas incluían bombas de uranio empobrecido, armas de “enerxía directa” e armas novas químicas e biolóxicas. Estas armas non só logran que o acto de matar sexa máis doado, senón que tamén deixarán contaminado o medio ambiente con partículas de uranio empobrecido radioactivo durante as próximas décadas.

 

Pero, para construír un pacto suficientemente forte como para levar a un país democrático polo carreiro dunha permanente economía de guerra, necesítase unha alianza de intereses entre militaristas, industriais, políticos, aduladores e propagandistas. Estes son os cinco alicerces do complexo industrial militar que poden atoparse nos Estados Unidos.

 

 

1. O sistema militar estadounidense

 

En 1991, ao final da Guerra Fría, o orzamento de defensa dos EUA era de 298.900 millóns de dólares. En 2006, ese orzamento medrara ata acadar a cifra de 447.400 millóns de dólares, e esa cifra non incluía os 100.000 millóns de máis gastados nas guerras de Iraq e Afganistán. Estimouse que os gastos militares estadounidenses, sen necesidade de esaxerar, achéganse á metade dos desembolsos militares mundiais (48% do total mundial en 2005, segundo cifras oficiais), malia que a poboación estadounidense representa menos do 5% da poboación mundial e ao redor do 25% da produción mundial total. Como porcentaxe, os gastos militares estadounidenses comen un mínimo do 21% do orzamento federal total estadounidense (2006=2.500 billóns de dólares). Un orzamento militar tal é maior que o productor interior bruto (PIB) dalgúns países, como Bélxica ou Suecia. É unha especie de goberno dentro doutro goberno.

 

En 2006, o Departamento de Defensa dos EUA empregou a 2.143.000 persoas, mentres que os contratistas de defensa privada empregan a 3.600.000 traballadores, o que supón un total de 5.743.000 postos de traballo nos EUA relacionados co sector da defensa, ou o 3,8% do total da forza laboral. Ademais, hai case 25 millóns de veteranos nos EUA. Xa que logo, pódese dicir que máis de 30 millóns de estadounidenses reciben cheques que teĖen a súa orixe directa ou indirectamente no orzamento militar do estado. SupoĖendo con cautela que só dúas persoas maiores de idade votan por fogar, isto tradúcese nun bloque duns 60 millóns de votantes estadounidenses que teĖen intereses financeiros no sistema militar estadounidense. Así pois, atopámosnos co perigo dunha sociedade militarizada que se perpetúa a si mesma politicamente.

 

 

2. Os contratistas da defensa privada

 

Os cinco contratistas máis importantes da Defensa estadounidense son Lockheed Martin, Boeing, Northrop Grumman, Raytheon e General Dynamics. Van seguidos de Honeywell, Halliburton, BAE System e miles de compaĖías e subcontratas de defensa máis pequenas. Algunhas, como Lockeheed Martin en Bethesda (Maryland) e Raytheon en Waltham (Massachussets) obteĖen preto do 100% dos seus negocios dos contratos de defensa. Outras, como Honeywell en Morristown (Nova Jersey), teĖen importantes divisións de produtos de consumo. Con todo, todas están preparadas para sacar proveito en canto os gastos de subministros de armas medran. De feito, os contratistas de defensa estadounidenses estiveron gozando dos grandes orzamentos do Pentágono dende marzo de 2003, i.e., dende o comezo da guerra de Iraq. Como consecuencia, contabilizaron aumentos considerábeis nos rendementos totais das súas accións, indo dende o 68% (Northrop Grumman) ata o 164% (General Dynamics) dende marzo de 2006 a setembro de 2006.

 

Tamén se sinalou que os contratistas da defensa privada xogan outro papel social: son grandes empregadores de antigos xenerais e antigos almirantes do sistema militar estadounidense.

 

 

3. O sistema político

 

Nos EUA, o Presidente George W. Bush, un antigo petroleiro, e o Vicepresidente Dick Cheney, como antigo presidente e director executivo da gran compaĖía de servizos petrolíferos Halliburton, en Houston (Texas), personifican a imaxe de políticos consagrados ao crecemento e desenvolvemento do complexo industrial militar. A súa administración estendeu o sistema militar e adoptou unha política exterior militarista a unha escala nunca vista dende a fin da Guerra Fría e ata dende a fin da II Guerra Mundial. Efectivamente, baixo a administración Bush-Cheney, a industria armamentística volveuse extremadamente rendíbel. Contratos por miles de millóns de dólares van a toda marcha vendendo avións e tanques a diversos países nun mundo que evoluciona cada vez máis de costas ao dereito. Case as dúas terceiras partes de todas as armas exportadas no mundo saen de Norteamérica.

 

O Congreso, pola súa banda, está en débeda coas corporacións de defensa que operan nas plantas militares existentes é cada un dos distritos dos congresistas ou nos estados dos senadores, ademais de certas gratitudes aos lobbys que lles proporcionan fondos e apoios nos medios en épocas electorais.

 

 

4. Os “think tanks” do sistema

 

Os asesores e os aduladores que se achan detrás da economía orientada cara a guerra forman un rede entrelazada dos chamados “think tanks” con sé en Washington, financiados por ricas fundacións que están exentas de impostos e que teĖen miles de millóns de dólares de activos, como, por exemplo, a Fundación John M. Olin, a Fundación Scaife ou a Fundación Coors, etc… Entre os “think tanks” máis influíntes e representativos, cuxa misión é orientar a política exterior estadounidense, atópase o American Enterprise Institute (AEI), a Heritage Fundation, o Middle East Media Research Institute, o neoconservador Washington Institute for Near Eastern Policy, o Center for Security Policy, o Jewish Institute for National Security Affaire, o Project for the New American Century (PNAC) e o Hudson Institute. Todos eses “think tanks” serven para un dobre obxectivo: proporcionan funcionarios gobernamentais para realizar informes políticos sobre diversos temas, normalmente cunha visión moi conservadora; e serven como incubadoras dos departamentos gobernamentais, fornecéndolles persoal que xa foi formado e proporcionando postos de traballo para funcionarios que están fóra do poder.

 

Obsérvase que a mesma porta xiratoria que existe entre o sistema militar e os contratistas de defensa, tamén se move entre os “think tank” con sé en Washington e os departamentos do goberno dos EUA.

 

 

5. O establishment da “propaganda”

 

Os propagandistas da economía a favor da guerra pódense atopar máis ca nada na dereitista industria dos medios de comunicación estadounidenses. Isto débese a que a venda de políticas orientadas cara á guerra require a pericia que só unha ben engrasada máquina de propaganda pode proporcionar. A ferramenta propagandística máis potente é a televisión. Aí a Rede Fox de Novas de Rupert Murdoch é invencíbel. Non hai un medio de comunicación estadounidense máis abertamente devoto da ideoloxía neocon e máis comprometido no apoio das novas guerras estadounidenses que a Fox News. A CNN ou a MSNBC poden intentar algunhas veces emulala, pero o seu profesionalismo impídelles achegarse de máis a Fox News, que está demasiado predisposta a favor da guerra e promove sen pudor algún a dominación global dos EUA. Os esforzos de propaganda da Fox están estreitamente coordinados con outro medio escrito propiedade de Murdoch, como é o Weekly Standard e o New York Post. O Washington Times, que está controlado polo Reverendo da Igrexa da Unificación Sun Myung Moon, o neoconservador New York Sun e outras publicacións neocon, como o National Review, The New Republic, The American Spectator, The Wall Street Journal, completan a infraestrutura máis importante de propagandistas a favor da guerra.

 

 

En conclusión, esa conxunción de cinco maquinarias para a guerra, i.e., o inflado establishment militar, a gran industria armamentística estadounidense, a administración neocon favorábel ás guerras, co Congreso de xeonllos ante os lobbys militaristas, a rede de “think tanks” favorábeis á guerra e os belicosos propagandistas dos medios constitúen o marco do complexo industrial militar, do que o Presidente Dwight Eisenhower, en 1961, hai 45 anos, xa temía sabiamente que puidese exercer unha influencia corrosiva sobre a sociedade estadounidense.

___________________________________________________

*Rodrigue Tremblay é profesor emérito de economía no Universidade de Montreal. rodrigue.tremblay@yahoo.com

É autor do libro The New American Empire.

O seu blog: www.thenewamericanempire.com/blog